21 de dezembro de 2009

Ciúmes

Ciúmes,
Ciúmes do vento, ciúmes do tempo
Ciúmes sem nem ter porque
Apenas sinto vontade
De ter ciúmes de você

É incontrolável, insaciável
É incorrigível, é imprescindível
Mas única coisa que sei meu bem
É que sei que sentes ciúmes também

A verdade é que eu te tenho
Muito mais do que desejei
Meu ciúme duentio
Sei que atrapalha
Mas meu amor, você sabe que ciúme não mata

Pense só nas vezes em que estivemos juntos
Imagine tudo isso sem se dar valor
Sabes que o ciúme é a prova disso tudo
A prova de que na vida nunca se deve reprimir o amor

4 de dezembro de 2009

O cachorro do vizinho

Durante a madrugada, ou pela manha bem cedo,
Lá está ele a me infernizar,
Não sei de onde tira tanta força,
Nem tanta vontade de latir,
As vezes penso que ele gosta de me encomodar,
Parece latir para me provocar,
Pois enquanto late, olha pra mim.

Maldito cão que me atormenta,
Cão que não dorme, nem se alimenta,
Apenas grita, palavras caninas,
Quais não entendo,
Mas que odeio.

Mesmo fim

Em certo ponto existe alguém
Que me observa também.
Observo a beleza que tem,
Dicerto porque é algo que a mim convém,
Admirar a beleza de alguém.
Contudo, tua imagem em mim sempre vem.
Como algo que tenho sempre comigo, pois bem...
Final de história contigo ao meu lado, porém,
Sabes que imaginação humana é algo muito mais além.

Morte, veem mas vem sem pressa.

Por que todos temem ela?
Qual temor que esta palavra causa, nas pessoas,
Que as fazem ter maus pensamentos.

Sabe o que é morte pra mim?
Mais um palavra.
É apenas mais um portal,
Entre tantos, quais passamos,
Sem nos darmos conta.
A morte, não é boa nem é ruim.
Não é boa, porque entes queridos sofrem com isso,
Pois são ignorantes ao não entender o real motivo da partida, vezes repentina.
Também sou ignorante.
Não é ruim, porque na morte não temos problemas da vida carnal,
Não precisamos esperar ano novo,
Muito menos o Carnaval,
Entendes?
Acho que a morte deveria ser mais aceita!
Eu sei que parece loucura, ou improvável de aceitação,
Mas é a realidade.
Morremos, porque atingimos nossa meta,
Ou temos algo mais útil há fazer.
Morrer não é o fim, não é o começo, muito menos o recomeço,
E sim a continuidade.

29 de novembro de 2009

Sol, Sincero Sol.

Acima de mim ele brilha,
Meu amigo de todos os dias.
Há dias em que não o vejo,
Mas sei que ali está.
Astro rei que me ilumina e energiza.
E me faz seguir em frente,
Ao ver-te a brilhar diariamente,
Sem receber nada em troca.

31 de outubro de 2009

Tribute to my friend porcs auei

Amizade,
Palavra Forte e Importante,
Palavra, que dificilmente é encaixada a qualquer um,
Mas que para ti, até parece rimar,
Arthur e amizade, são duas palavras que caminham juntas,
Que facilmente enxergamos lado a lado.
Formando uma bela frase.

Poucas pessoas hoje em dia, teem amigos verdadeiros,
Amigos companheiros,
Amigos que podemos contar a todo instante.

Amigos que não deixam de ser amigos,
Mesmo com o tempo, mesmo distante.

Amigos como você,
Que sabem as palavras certas, nas horas certas!

Amigo este que quero levar para a vida!

Te amo Brother!
Auei eh o bonnes!

11 de outubro de 2009

Palavra que não dizem nada

O sol se distraiu
Derrepente a serpente ou viu de nós
Ou se viu, o que será do que se vê?

Hoje sei que essa ilusão é uma casa que nos cerca
Pense um minuto e verás nesse casco que envolve
E não verá o que te quer e os que te querem

Querer é acender a luz de sol
Que brilha entre o meu peito e o meu amor
E então é hora de pensar em algo, descomplique.
Não me aplique essa que não quero mais... me distrair....

4 de outubro de 2009

Seria você a mulher da minha vida?

Sempre que falo contigo,
Acho que é.
Sempre que olho para ti,
Acho que é.
Sempre que escuto tua voz,
ou sinto tua pele,
Acho que é.
Sempre que diz me amar,
e me olha nos olhos,
Tenho certeza de que é.
_____________________________
Deidicação á Renata Souza

22 de setembro de 2009

Cúmulo

Ai que vontade de levantar e não sentir-me culpado,
Sentir-me culpado por ter adormecido,
E por não ter ido,
Como sou irresponsável,
Faltei ao meu próprio casamento.

Bem, amigos!

Corre, corre
Chuta, chuta,
Pega, dribla, defende.
Que belo é o futebol!

Vírgula

Ultimamente,
Está,
Difícil,
Escrever,
Maisdeumapalavraemumalinha.

21 de setembro de 2009

O cais do adeus

No balanço do barco,
Eu balanço,
Balanço também,
O coração daquela menina.

No ritmo do mar,
Vou navegando,
E conforme navego,
Descubro novos sentimentos.

Sentimentos estes que afloraram,
Quando lhe vi pela primeira vez,
Seus olhos cor de mar,
Me olhavam de tal maneira,
Como se pudesse penetrar e minha mente.

Enquanto navego, curto a vista,
E curto meu flerte.
Adoro flertar por ai,
Cada flerte é uma aventura diferente,
Cada flerte tem um tempo diferente,
Este por exemplo, acaba na chegada ao cais.

Crítica

Opinião digerida,
Formadores de opinião,
Mas são coisas simples
Normais e adquiridas

Mas difícil mesmo é enxergar
O que há na nossa frente
Com nossos próprios olhos vendados.

20 de setembro de 2009

Matematicamente falando

Olho para ti, e vejo uma felicidade superficial,
Sorrisos e gargalhadas,
Quando na verdade, você está gritando por dentro.
Suas decisões e pensamentos,
Tornam-se o "x" de uma equação,
O "x" Que preenche a lacuna da minha vida,
Impossível saber ao certo o que irá acontecer,
Que caminho irei trilhar,
E se não irei me perder.

-------------------------------------------------------
Desculpem o tempo sem postar.
De volta com todo gás.

17 de setembro de 2009

Incognitamente

Mantenho a vontade de ter uma vida.
Talvez um dia.
Poderia,
Se tivesse levado-me a sério.
Se nem eu mesmo me compreendo,
Que vida poderia levar sem um critério?

11 de setembro de 2009

Declarações Americanas

Oh Darling, my love for you is so true,
My life is change as well for something new,
And the day that we are together is now!
So, don't say anything,
Because of our love only we know
And now my only happiness you can bring

1 de setembro de 2009

Descobri um poeta!

Me espantei ao ver o caderno de meu sobrinho de 8 anos. Nele encontrei poemas, poemas de gente grande. Com erros de português, claro, mas o garoto tem oito anos apenas!
Perguntei-lhe o que lhe passava ao escrever poemas. Ele respondeu com confiança: "Sinto vontade de fugir, falar, gritar... e não posso, então escrevo".
Foi como se eu mesmo tivesse me respondido a pergunta. Era o que eu responderia.
Resolvi guiar o garoto por uns tempos, e em breve vou postar textos dele.
Só não sei ainda se vou escanear as folhas e postar imagens com a letra dele ou se redigito... Aqui aceito opiniões em comentários breves.

Té.

Almoço em Porto Alegre

Na via aérea anda devagar
O som de Porto Alegre.
Caminha no ar a música
Que sai da praça pública.

Precipito-me em fuga,
Ao som da tuba, viola, cantor, alvoroço;
Praça vazia,
Acabou o horário de almoço.

20 de agosto de 2009

Reflexo

Sempre tive vontade de te ver
Te ver de perto
Sentir teu cheiro
Mas é inodora
minha face no espelho.

17 de agosto de 2009

Viajens inusitadas

Voamos mais rapido que um jato,
Sem sequer sair do lugar,
Viajamos pelo mundo, e curtimos nossa vida,
Sem um rumo definido.
Sem sabermos o que faremos amanha,
Nem o que seremos,
Sabemos apenas da irmandade,
Que nunca morrerá
E que nesse caminho pelo infinito,
Apenas crescerá.

Auei

16 de agosto de 2009

Filosofia da madrugada

Em minha mente,
palavras bagunçadas,
Que no cansaço da madrugada,
tento organizar.

Não formo frases feitas,
por que alêm do cansaço,
Minha cabeça ja está feeita!

Mais uma noite se foi,
Mais uma noite vira,
Mais um sol que se poe.
Sol que ilumina a todos,
E nos abençoa com sua energia sagrada.

Energia que transmitimos, aos nosso irmãos,
E espalhamos felicidade.

Não preciso de nada esta noite,
Tenho tudo que quero,
Meus amigos a minha volta,
A lua a me iluminar,
E o flerts para purificar.
AUEI

3 de agosto de 2009

Luto

É estranho pensar no quanto você era animado por extinto.
Sinto que em algum lugar hoje estarás animando alguém.
Também penso que tua foto, para muitos, não bastará.
Mas também sei que de algum lugar, que não sei onde,
Estás a olhar por nós e nos manterá alegres.
Guardarei a tua imagem para sempre,
E que meu luto te ajude nesta nova caminhada.
Caminhada de paz, não de exílio.
Não digo-lhe adeus, lhe mando um abraço.
Pois um dia nos veremos novamente Emilio.

-----------------------------------------
Há coisas que mudam sem avisar... esta é a frase que vi que mais completa sobre isto.
Emílio foi um grande cara, um eterno amigo. Vá em paz, velho amigo.

28 de julho de 2009

Pés no chão,
Minha mente voa devagar.
E onde está?
Ao lado de uma praça
Ou um lugar qualquer.

Ei espelho,
Já não vejo
Outra forma de viver

Então, feche a porta
A janela ilumina o vão

É verdade o que me disseram por aí?
Que uma canção
Não tem valor sem o ruído do vinil.

23 de julho de 2009

Pois é,

Se eu pudesse ouvir,
Escutaria buzinas.
Se eu pudesse ver,
Veria o ar que respiro.
Se eu pudesse falar,
Não me dariam ouvidos,
Porque se pudessem ouvir,
Escutariam buzinas...
Mundo que não é só redondo, adiposo,
Também cego, surdo e mudo.

Teatro-de-Rua-Europeu

Vi a palavra solta no meio da praça
Num som de pedra quebrando a vidraça
A palavra (ou onomatopéia)
Craaaack, soava como um sino
E ao redor pessoas que passavam
Aglomerando-se formavam platéia.
Rua da Praia, teatro de rua, epopéia.
Algazarra e gritaria na peça européia.

22 de julho de 2009

Segunda-feira

Fujo incansavelmente das segundas feiras da vida,
Queria que uma semana de 3 dias apenas,
Sexta, sábado e domingo,
Chegando no domingo, seria sexta-feira novamente,
Ah! que maravilha que seria,
Viveria em festa,
Sem estresse rotineiro, sem aquele peso nas costas ao se dar conta que acabou o fim de semana,
Oh Deus, por quê? não foste mais rápido?

Motorista Rotineiro

Desce um, outro,
Ponto a ponto, bendita rotina.
Um descuido e pronto:
- Acorda motorista! Passaste do ponto!

O Incapaz

Me perguntaram:
- Poeta, por que não solta o verbo e fala gíria?
Não respondi e fiquei pensando,
É verdade, poderia por em textos expressões mais cotidianas.
Mas e se a gíria não rimar?
Mas e a crítica?
Bom, melhor pegar o próximo ônibus
Minha mente já se adaptou
Como uma abelha-doméstica.

Anjos

Você acredita em anjos?
Acredita que eles possam estar entre nós?
Eu acredito!

Acredito tanto que tive a honra de conhecer e conviver com um deles,
Ele veio em forma humana até mim,
Me ajudou em diversas situações,
Ou melhor,
Em todas situações possíveis.
Foi meu conselheiro, meu amigo, meu confidente, meu irmão.
Se aproximou de mim muito cedo,
Eu devia ter uns 10 anos, foi num dia muito ensolarado,
Naquela epóca, eu achava que fosse mais uma pessoa, comum,
Estava enganado.
Foi o melhor amigo que uma pessoa pudesse ter,
Meu anjo da guarda literalmente, me protegendo de todo mal que fosse me atingir,
Diversas aventuras tivemos, muitos sorrisos compartilhados,
Era muito bom te ter por perto meu amigo,
Pena que voltaste pro céu cedo demais.
Você faz muita falta,
Muita.


Homenagem ao meu melhor amigo Pablo gonsalez ( Ricco)
Falecido no dia 12/07/2007.

Auei é o bonnes.

Palavra pequena, mas que representa muito,
Ser AUEI é ser do bem, estar sempre de bem com a vida, indiferente dos problemas que temos,
É curtir com os amigos, sem se preocupar com o que os outros pensam,
É brincar com a gurizada no parque até o dia chegar,
É ficar arregado no tics, e não ajojis.
É tirar o fit pra otario, porque ele é mesmo.
Não ter medo de pagar vale, simplesmente fazer aquilo que está afim de fazer,
É rir sem parar, sem a menos lembrar o motivo de ter começado,
Ser auei é ser livre,
Se reunir todo finde, com a galera pra curtir,
É curtir uma reguera com os brother, ou um charlie Brown para que todos cantem juntos.
É ir no flerts toda hora, para fazermos a cabeça,
É ir no cardi para formamos uma noite.
Ser auei também é esquecer o depois, e viver o momento,
Sentir a vibe, aliviar a cabeça e deixar que a energia te eleve.

Auei.

20 de julho de 2009

Transtorno

Em diversas situações me encontro no escuro,
No breu total.
Mas eu sei que estou aqui,
Minha mente se confunde com palavras que de minha boca saem,
Perturbações rotineiras, me fazem perceber o quanto sou louco,
Louco e incompreendido.
Atitudes incontroláveis, faço coisas que não quero,
Minha mente diz uma coisa, mas meu corpo, faz outra.
Confundo não só minha mente, mas também pessoas que amo e admiro.
É terrível viver assim,
Um louco perdido, num mundo insano,
Toda essa loucura acumulada, se soma a raiva que tenho guardada, dentro de mim.
É como um libertar de leões, enfurecidos atacando a sua presa.
Preciso me refugiar, mas ao mesmo tempo me libertar,
Me libertar deste tormento,
Desta angustia, que não me deixa viver,
Preciso renascer,
Mas antes disso preciso aprender a viver, com meus defeitos e qualidades,
Para que em outra vida, não perca tempo com isso.

16 de julho de 2009

Certos males vem para o bem

Quando nós menos esperamos, algo acontece.
Algo que pode mudar sua vida de tal maneira,
Que a tornará mais feliz, mais valida.

Tudo que passamos, tem um motivo, um porquê.
Tristes episódios, nos deixam cabisbaixos e sem animo,
Incapazes de enxergarmos o que está diante de nossos olhos.

Porém,
Tem certos males, que vem para o bem,
Coisas que acontecem, que na hora pensamos, Por quê?, por quê está acontecendo comigo?
Mas que logo somos recompensados com algo melhor,
Eu perdi, e tu perdeste,
Mas ganhe muito mais que perdi,
Ganhei uma oportunidade, de mostrar o quanto posso fazer a diferença,
E tu perdeu? sim!
Perdeu tempo demais.

Me perguntaste, qual a diferença de antes e de agora,
Me faltam palavras para descrever,
É tudo mais completo contigo, mais natural,
Apesar de ser cedo, de ser apenas o inicio,
Tenho plena certeza do que escrevo, e do que te falo,
Não estou sendo apressado, e sim sincero.

Como é possível, uma pessoa passar tanta tranquilidade e segurança?
É assim que me sinto ao teu lado, seguro e tranquilo,
Risos, conversas bobas, conversas serias,
Tudo é possível com você.

Impressionante é a saudade que sinto,
Quando longe de ti estou,
Parece que de mim foi tirado, aquele chão me mantêm,
Mas quando estamos juntos,
O vazio que habita em mim, se preenche.
Meus olhos brilham, meu coração palpita,
E minha boca seca, na angustia espera de beijar a tua.

7 de julho de 2009

Criatividade Ctrl+V

Se certa vez tentou pensar em vão, fútil,
Pode ter sido a custo de ter sido tão inútil.
O fato é que realmente tomou um tom volátil.
Feliz enfim por ser eréctil,
E de uma mente brilhante. Total versátil!
Uma pena ser feito de referências...
Totalmente sútil.

2 de julho de 2009

Amor, duvidas e um pouquinho de café

Está cada vez mais, perto da possível despedida,
Sinto estar lhe perdendo aos poucos,
Aquele olhar brilhante e alegre, que preenchia seus olhos, já não esta presente.
Teu abraço, cada vez mais frio e tenso,
Teu toque eu não sinto mais, estás fugindo de mim,
Sem perceber vou lhe perdendo, e temo que para sempre,
Quero ser seu, e quero que sejas minha.
Os empecilhos, me fazem refletir e ver que o que sinto realmente é puro e verdadeiro,
pois não desisti, continuo na busca da felicidade ao teu lado.
Sinto falta de ver-te, me olhando com alegria,
Problemas todos temos, á diferença é que alguns tem quem os ajude e outros não.
Eu quero lhe ajudar, me deixe lhe ajudar.
Mesmo que duvides de meu amor, não desistirei,
Mesmo que eu te veja cada vez menos,
Não desistirei,
Confiança é algo que um dia terás em mim,
Terá no dia, que der mais ouvidos ao teu coração e não a conversas alheias.

Feixe os olhos e acalme seu coração,
Esclareça seus pensamentos,
É preciso dar vazão aos seus sentimentos.
Retire más lembranças de sua cabeça,
Apague seu passado,
Não pense que todos são iguais,
Que os mesmos erros serão repetidos.
Apenas siga seu sentimento mais profundo.

(Tua existencia me faz perceber, que não vim ao mundo para ficar sozinho. ) Te amo.

Caneta Tinteiro

Minha caneta tinteiro
Parece constipada.
Já não mais escreve,
Borra.

Espalha tinta,
Na pobre folha fina
Sofrendo furos (até agora trinta)
- Caneta cretina!

1 de julho de 2009

Chuva

Gari diz:
- Boa essa chuva, lava essa cidade suja.
Colono diz:
- Bendita chuva! Salvou a colheita.
Romântico diz:
- Essa chuvinha, lembra-me você...
Pessimista diz:
- Com uma chuva dessas vai ser horrível pegar um ônibus!
Eu:
- Chuva... Difícil não escrever sobre ela...

Feeling

Frases, ônibus, caracteres e virgulas.
A gripe, da mulher ao lado,
Espirrando letras em catarro branco.
A caneta soprando tinta no papel minimalista.
Tão minimalista que os tons de azul se minimizam no branco,
E minha mente que já tão sobria (como nunca esteve)
Já não sabe mais sobre o que escreve.

30 de junho de 2009

Jardim

Chegou a Flor Margarida, mulher de Cravo,
Que depois deixou Rosa a ver migalhas de niilismo.
Mas assim mesmo as outras a tratam com tom de meretriz.
A pobre recalcada Flor de Maio, espera Julho, ou Júlio,
O homem que rega as plantas
Em linha octogonal no jardim de Marias.
Marias-sem-vergonha que aguardam a prima Vera,
Para poder se mostrar mais do que os pobres Lírios
Em cores que eles nunca um dia sequer sonharão em ter.

Obra

Organizo-me em um meio que não entendo,
Caixas de metal com rodas que movem pessoas,
Cubos de carbono que interligam pessoas ao redor do mundo.
É difícil dizer o que vai ser daqui para frente para nós.
Se nosso mundo hoje se torna submundo.

Hoje já não sei mais se estamos livres,
Ou se estamos presos em um calabouço às escuras.
O livre verso já não tem mais o apreço de outros tempos
E a verdade mascarada, nos chega por meios atrofiados,

E depois de toda uma conversa, reles papo analítico,
Surge uma pergunta:
- Hoje ainda existe senso crítico?

23 de junho de 2009

Sonhador

O dia nascendo, novas vidas surgindo,
O sol reluzente na parede, outro de mim,
Não fácil de identificar,
Escuro como meu interior,
Como o meu amor,
Porém, é um outro que ao meu lado sempre está,
Diferente de você, diferente de mim mesmo.
Inconscientemente, fui me perdendo no vão do mundo.
Sem ter onde ir, nem quando chegar,
Eu caminho,
Caminho constantemente, brigando com minha mente, tropeçando em minha sombra,
Procurando algum lugar,
Algum abrigo, um refugio dentro de mim,
Onde eu possa me esconder, e não tenha que lutar.

Tendo a lua como ,teto
E o vento como coberta,
Eu me deito.
Me deito e adormeço,
Na longa espera de um recomeço,
No inicio de um novo tempo,
De um nova era que virá.

Senso Comum

De uma vez por todas perdi meu senso estético.
Vejo beleza no nu, na releitura.
Caí de cabeça em ritmo pop art, sem critérios.
Mas conflitos à parte, é difícil saber o que é belo, realmente;
Se belo à nós é o consenso,
Não quero fazer parte dessa gente.
Minha mente vai muito além desses preceitos,
Ao contrário deste povo, absorvente,
Em um país emergente.

22 de junho de 2009

Contrastante Porto Alegre

Impressiono-me com o visual de minha Porto Alegre
Tão bonita e tão diversa.
Do homem de gravata, ao pedinte em uma esquina.
Da avenida arborizada à viela de chão batido.
Dos ladrilhos na Rua da Praia, preto e branco.
Ao contraste árvores-céu, simples, colorido.

20 de junho de 2009

Infidelidade

Por causa de belos olhos,
O que era errado foi feito,
Deixei-me levar, na imensidão daquele azul,
Aquele azul celeste, claro como o absinto,
Que me embriaga a cada olhar,
Possuo seu corpo, com um certo desejo incontrolável,
A vontade de ter você só para mim, aumenta a cada beijo.

Não consigo mais conviver com a ideia de dividir você com outro,
Preciso sentir teu perfume ao acordar,
Teu sexo, domina minha mente,
Me faz delirar de prazer, por horas intensas,
Teu cheiro misturado ao meu,
Gotas de suor pingam, de minha cama.

Mas agora você se foi,
Cansou do perigo, voltou para sua vida normal,
Sinto teus beijos, que na minha alma ainda gritam,
Te ligo, você desliga,
Achas que acredito, que me esqueceste?
Sei que meu desejo é o mesmo que o teu,
Noites mal dormidas,
O corpo sofrendo e vibrando na abstenção do teu,
Será que teu gosto, nunca mais irei sentir?
Ora, não seja fraca, se entregue,
Se entregue de vez a este sentimento, que és mais forte que nós mesmos,
Não se prenda, por causa de burocracias,

Lembro de você sobre a cama,
Com suas curvas a me seduzir,
Sinto falta de esperar-te, no inesperado,
Para que juntos cometamos um crime,
Crime delicioso, e que por você,
Eu apodreceria atrás das grades,
Crime esse que todos chamam de adultério.

19 de junho de 2009

Rápida Estrofe

Um rosto límpido em minha frente,
De certo modo jovem e enérgico em meio a meu universo.
Por fim me dei conta afinal.
Que era meu rosto, e que este era somente mais um verso.



----------------------------------
Peço desculpas pelo tempo sem postar, ultimamente está difícil para mim escrever com conteúdo realmente bom... mas enquanto a inspiração me fugiu, vou seguir postando o que me vem à mente.

Foi! Deu!

8 de junho de 2009

Estátua Viva #2

A estátua viva que sempre é de um tom cinza,
Eu nem imaginava que a veria neste frio.
Enquanto todos passam em tons de elegância,
A estátua dantes cinza, agora é roxa.

5 de junho de 2009

Lugares por ai

Sem saber ao certo, a onde ir,
Observo diversas coisas,
Porém, fico parado, inerte.
E mesmo assim, ando por vários lugares,
Vejo muitas coisas, por onde ando.
Na maioria das vezes, acompanhado,
Pois como diria o ditado: "De que vale andar, se não há ninguém para lhe acompanhar".
Passeio, vago por ai, ao lado de belas mulheres, Loiras, morenas, negras, ruivas...
Mulheres de todo o tipo.
Passeio ao lado de homens também,
Ora! não sejamos preconceituosos pessoal.
Sem saber onde ir,
E nem quando chegar.
Eu passeio,
Parado, inerte, imóvel,
Dentro da lotação.

4 de junho de 2009

Doce menina

Tem dias que eu à vejo,
Com seus passos calmos, a caminhar pela rua,
Não sei o que se passa dentro de mim,
Pois é apenas uma garota,
Mas que tem o poder de balançar todo o meu ser.
Beleza nesta garota não falta,
Muito menos delicadeza,
Pois é incrível como, mistura doçura com malícia,
Sem exageros.
A simetria de teu rosto,
encaixa perfeitamente com teu olhar,
Teu olhar misterioso, provocante,
E que me faz desejar, intensamente,
Que estes olhos, fiquem próximos aos meus,
Assim como tua boca.

3 de junho de 2009

Ganja

Meu remédio é natural,
Eu mesmo colho,
Eu mesmo preparo,
Com minhas mãos eu vou soltando pouco a pouco,
Para que esteja bom para eu usar.
Muitos falam mal,
Acham ele desnecessário,
Mas eu os entendo, não sabem apreciar o que é natural.
Ele me trás paz, me causa alívio,
Me leva para outra dimensão,
Saio de mim, e consigo enxergar o que realmente importa.
Meu remédio, não me traz complicações.
E sim me acalma em diversas, situações,
Não fale mal, do que não conhece,
Não julgue, quem você não conhece,
Ou melhor nunca julgue.
Viva sua vida,
Pois enquanto você toma seu anti-depressivo,
Fuma seu cigarro,
Toma seus remédio para emagrecer,
Eu apenas uso o que Jah nos deu,
Nada mais,
Me deixe com minhas ervas medicinais.

Palavriando

O vento voa, porque é livre,
O livre voa, porque tem "asas",
A liberdade esta em pequenas coisas,
As pequenas coisas, são notadas com o tempo.
Assim como a liberdade.
Aos poucos você descobrirá,
Que você só não voa, por que não quer,
E não porque não tem asa.

1 de junho de 2009

Frieza

Nesse frio, típico de inverno,
Porém não típico de teu caráter,
Vejo-me a lembrar de tua face.
Tua face que transmite o único calor neste forte inverno.

Frio contínuo, mas que sinto por fora.
Intensamente um calor internamente.
Mas que vindo de ti, já me basta. Por hora.

31 de maio de 2009

Olhos de poeta

Observo toda manha,
O balançar, de belas árvores,que me cercam.
Observo e admiro, a perfeição da natureza,
Folhas caem, deixando a cidade mais linda e colorida,
Enchendo-a de vida.
Retirando um pouco da cor cinza que à toma.
Folhas caem,
Porém a vinda de novas folhas, renova a beleza de tais árvores .
Observo também, a impaciência da vizinha, que com preguiça e um certo mau-humor,
Varre as folhas de seu belo ipê.
Certamente deve dar trabalho a sua vassoura,
Pois toda manha, eu a vejo à esbravejar,
Enquanto varre sua calçada.
Algo lhe falta, falta-lhe o amor,
Pois os olhos, que ela vê o belo ipê,
Não são os mesmos olhos, com que eu o vejo,
O que eu vejo de canto de olho,
Ela não enxerga, nem com os olhos esbugalhados,
Vejo o mundo com os olhos de poeta,
Uma árvore, não é apenas uma simples árvore,
E sim uma forma de vida,
Refletida na natureza.

Frieza

O frio que toca meus pés,
Em noites não quentes,
É o mesmo frio, que encontro em teu coração.
Frio que congela, como o vento do inverno,
Incapaz de amar.
Tua frieza me espanta,
E me faz pensar, o que tornou-lhe assim.
Nem a mais quente chama se mantém,
Diante a frieza de seu coração.

Atitudes

Durante toda nossa vida,
Esperamos o dia em que seremos amados,
E quando esse dia chega,
Esperamos nunca ser trocados.
Na vida, inclusive ela, nada é pra sempre.
Nela sofremos,
Nela aprendemos,
Nela vimos o quanto erramos,
Ao fazer promessas.
Pois promessas, nem sempre são cumpridas.
E promessas não cumpridas,
Magoam,
Nos fazem sofrer,
E fazem sofrer aquelas pessoas, que acreditaram em nós.

Devemos parar pra pensar, em cada momento que estamos prestes a magoar alguém,
Pois, depois de feito não tem mais volta,
Devemos nós preocupar mais com as pessoas que amamos,
Devemos pensar,
Antes de agir,
E antes de falar.

26 de maio de 2009

Textos & Textículos

Poemas sem contexto
Estrofes sem pretexto
Atualizações nem tão freqüentes, assim como ano bissexto.
Não é leitura de cordel, talvez de cabresto.
E ainda perguntam-me o que é textículo?
Não pense bobagem!
Nada mais é do que um pequeno texto...
Escrevo tudo ao alcance apenas da linguagem.
Agora: Pare de pensar sacanagem!

25 de maio de 2009

Minha doce avelã

Difícil olhar em teus olhos cor de avelã
E não dizer que te amo.
Mesmo que tivesse a vã idéia de não querer pensar em ti
Seus olhos nunca sairiam de minha cabeça
Avelãs que me hipnotizam e me acolhem.
Um olhar tão apaixonado que pela primeira vez
Somente estando ao seu lado,
Somente você o fez.
Me transformou em homem domado.

22 de maio de 2009

Simplesmente você

As vezes me pego, pensando em ti,
A imagem do seu sorriso, não sai, da minha mente.
Nossas conversas, puras e longas,
Deixam em evidencia,
O que sinto por ti,
Em teus olhos consigo enxergar muito mais, que uma simples mulher.
Enxergo o infinito,
O infinito sentimento que brota em mim.
Tua pele macia, desliza como creme em minhas mãos,
E teu cheiro me domina, me acalma,
E incrivelmente me faz voar,
Saio do chão, quando contigo estou.
Não importa o que possa acontecer,
Quero te amar,
Me deixa te amar.
Sei que foi de repente, sei que é tudo recente,
Mas longe de ti, já não consigo mais respirar,
Meu coração bate mais forte e mais lento quando ti ve,
Tua boca chama a minha,
Não te ver pela manha,
Me desanima.
Preciso te ter
Preciso de você perto de mim.

21 de maio de 2009

Dependencia

Amo o silencio,
Porque o silencio me fala de você
Amo a natureza,
Porque ela me lembra de você
Eu amo a solidão,
Porque ela me aproxima de você,
Eu amo as recordações
Porque nelas recordo você
Eu amo a musica,
Porque ela me traz saudade de você
Eu amo a saudade,
Porque na saudade eu identifico você
Eu amo o vento,
Porque no vento eu sinto você
Eu amo o universo,
Porque nele existe você
Eu amo a vida,
Porque minha vida é você.

Muay Thai

As vezes você pensa que não dá mais,
Que não ira aguentar.
Mas a luta só acaba quando termina,
Não desperdice o tempo que treinaste.
Honre sua equipe,
Mostre para o seu Mestre, que você tem disciplina.
Prove para si mesmo que a dor, se torna inferior, perto do desejo da ganhar.
J.C MUAY THAI

A LUTA SÓ ACABA QUANDO TERMINA.

______________________________________________

Homenagem à Equipe Jc muay thai.

À minha volta em minha órbita existe um silêncio
Que enfim não é calado. Mas como?
Silêncio é diretamente proporcional ao nível de ruído? Ou não?
Como pode um ruído que não é calado então?
Talvez seja um pretexto para entrar no assunto.
Abrindo a sua porta, limpando os pés no texto.
Mas não era o pretexto? Talvez...
O assunto então de porta aberta esperando o que digo.
Mas me finjo de morto, não digo, escrevo
E o leitor exclama na última linha:
- Mas que nó para dizer nada esse autor me fez!

20 de maio de 2009

A Velha e a Nova

De um lado a velha,
De outro a minha pequena.
A velha que tantos anos carrega em seus ombros.
A pequena que ainda é insignificante perante os outros.

Mas a pequena é muito mais notada.
A velha por mais que se esforce não é levada a sério.
É incrível como a velha não consegue destaque
Enquanto a pequena é vista por todos e comentada.

A nova, no entanto, é extremamente criticada
Mas também, com esse nome!
Chama-se personalidade.

A velha enquanto esquecida,
É para muitos o fim da fome.
Esta se chama solidariedade.

19 de maio de 2009

Números

Entre o quatro com seis letras
E o seis com quatro letras,
Prefiro um número que se decida propriamente
E faça jus ao seu nome como o cinco,
Tanto número, como letra, segue ambos fielmente.

15 de maio de 2009

Coletivo

Entro no ônibus, largo os trocados e passo a roleta.
Ao sentar começo a escrever, traçar letras.
Ao lado a moça olha de rabo de olho o que saem nessas linhas tortas.
Ao ver o que escrevo um leve sorriso forma-se.

Agora uma nova estrofe,
A moça olha-me com a face corada,
Ajeita-se insistentemente ao meu lado,
Tentando ver o que já rabisquei sem ela ter lido.

Ela me olha com certa incógnita
Ao ver que não rimei verso e não escrevo em prosa.
Vejo-me na obrigação e explico:
- Isso é culpa da saudade, meu texto fica pobre com a tristeza.

14 de maio de 2009

Exclamação

Um momento de simples distração e pronto!
Um momento de simples insistência, um desconto!
Uma mulher bela em minha vida e um encontro!
Sendo assim, difícil trocar a exclamação por um simples ponto.

13 de maio de 2009

Teus lábios

Você as vezes para, e me olha de tal forma,
Como se o mundo fosse acabar naquele exato momento.
E que existisse apenas eu e você.
Nossos corações batem forte quando estamos juntos,
Sua boca seca diante a minha respiração ofegante,
E a minha se enche de vontade,
Vontade de te beijar,
De sentir teus lábios juntos aos meus,
Sentir tua boca, envolta a minha.

Amo você como o sol ama a lua,
Sinto que sente o mesmo por mim,
O jeito que me olhas não é normal,
Nossos abraços são os mais calorosos.
Nossas conversas, as mais puras.
Sinto-me um tolo por você.

Teu jeito meigo e dominante,
Me deixa zonzo, e confuso.
Não sei como agir, o que fazer,
Quando estou perto de você meu mundo estremece,
Meu peito aquece,
E minha alma se completa.

12 de maio de 2009

Mundo blue

Desejo um mundo mais puro,
Mais justo e livre,
Livre de preconceitos,
Sem que as pessoas se preocupem se serão aceitos,
Se serão julgados.
Sem medo de expressar, seus reais sentimentos.
Quero poder andar, pela rua tranquilo,
Sem repressão.
Onde todos possamos se respeitados,
Respeitados pelo o que somos,
Pelo o que fazemos,
Não pelo o que temos.
Quero viver, sem marcas de estilhaço,
Sem barulho de bombas explodindo como despertador,
Sem ter que pensar, no frio, na fome e na dor.
Quero olhar para o sol e ver apenas o blue enorme que nos cobre,
Ver pássaros, ao invés de aviões caindo.
Quero acariciar amigos e amigas, sem que aja maldade,
Desejo um mundo sem mentiras,
Onde prevaleça a verdade.
Onde todos possamos sorrir alegremente,
Despreocupados e livres,
Livres de culpa.

Ligações

Eu existo, porque sou a razão de você existir,
Somos interligados.
Se eu não existice,
tu não poderia existir,
Pois sou partes de ti e tu partes de mim.

Tetos#1

Psicopata seria uma pata psicóloga?
Ou uma pata que goste de psy ?

11 de maio de 2009

Reflexão

Até mesmo naqueles momentos,
Onde parece estar tudo perdido,
Sempre terá uma luz,
Basta você, se esforçar em alcança-lá.

7 de maio de 2009

Companhia.

Gosto do teu sorriso,
Gosto do teu andar,
E gosto do teu gostar.
Gosto do jeito que você olha pra mim,
E do jeito que me xinga.

Gosto quando você, faz cara de seria, e abaixa a cabeça lentamente.
Gosto do teu abraço,
Teu calor me aquece e faz delirar, ao sentir teu perfume.
Gosto da maneira, que seus lábios mexem enquanto você fala.
Gosto do teu toque,
Mãos macias, como o veludo , fazem arrepiar minha pele.
Gosto quando te vejo, logo cedo, sentada na sala.
Gosto quando você sorri,
Nenhum brilho pode ser maior, que o do seu sorriso.
Gosto de tanta coisa em você,
Só não gosto de imaginar que um dia eu não possa mais te ver.

___________________________________________________

Dedicado a Giovanna Idiarte.

Fotografia

Amigo, que não temos nem sequer uma foto bonita juntos,
Difícil parar para tirar uma foto contigo
Estamos sempre falando sobre tantos assuntos.
Assuntos que muitas vezes nos deixa de mal,
Mas sempre estará do lado esquerdo de meu peito velho amigo.
Pensando bem,
Que valor pode ter uma foto nisso tudo?
Uma imagem, um registro de um momento também.
De nada valerá para mim uma simples foto, porém
É sempre bom ter registrado um bom momento contigo,
Velho amigo.

4 de maio de 2009

Trocando Trema

Um simples trema hoje em dia não é mais nada.
Mas talvez se ficar em pé, ao invés de deitada,
Consiga um emprego como dois pontos ao final da frase:
- E após o travessão poderia se unir à vírgula;

Ah! Como é triste escrever sem tema!
Mas apesar de não ser poético,
Em ritmo estético quem sabe sai um poema?

Doce Menina

[para Jessica Borba "Navarro"]

Ao lembrar do teu doce jeito, teu doce olhar,
Fico perplexo.
Um beijo, carícia, seu respirar tranquilo
Teu jeito de ser que de tão simples me faz achar complexo.

Teu beijo é tão doce quanto poderia ser
Tua boca tão macia como se fosse feita por mim mesmo, sob medida.
Apenas o fato de te ter, me faz lembrar que ainda existo.
E em sua face doce com olhar ingênuo fico preso, e não procuro a saída.

30 de abril de 2009

Tempos Verbais

É normal de minha parte escrever
Em um presente de aniversário do indicativo
Ao futuro do pretérito que está para nascer
Enquanto o pretérito imperfeito se olha no espelho
Espremendo espinhas,
Palavras sozinhas viajam junto ao futuro do presente
E enquanto o futuro ainda se mostra ausente,
Palavras em formas verbais trocam fofocas, afinal são vizinhas,
Conjugadas em um mesmo sujeito possuindo a mesma terminação.
E o indicativo querendo abrir seu presente,
Sua mãe indecisa se responde sim, ou se responde não.

29 de abril de 2009

Aprender.

Hum!
Necessário!
Algo realmente, importante para a gente crescer.
Fácil ?
Puts! nehum pouco,
Interessante? muito menos...

...Escola simplesmente, é com fazer um estagio para trabalhar
[no inferno.
Façamos o seguinte,
Vamos "matar aula",
Vamos ficar na farra dia e noite,
Bebendo, curando ressaca, bebendo curando ressaca,
E...

... Vomitando.
E no final disso tudo,
Vamos morrer,
Isso mesmo, MO-RRER,
Pois todo tempo que matávamos aula, ( deixamos de aprender).
Todos os dias de farra,
Era mais 1 ponto adquirido para ganharmos o grande premio que é o,
Abismo social.



Lembre-se você sempre pode aguentar mais.

Estrada de Tijolos Preto e Branco

Caminhar na Rua da Praia é fantástico
Estrada dourada no Mágico de OZ,
Que em Porto Alegre é preto e branco.
Mas sem perder a beleza diante de nós.

E eu ali, sentado estático em um banco,
Vendo o nosso Homem-de-Lata,
Que aqui é homem vestindo calção e pintado de prata.

De um doce rascunho

Composta por inocência,
E um toque de doçura,
Alegria e amargura.
Sinceridade não lhe falta,
Felicidade também não.

Com um olhar revelador,
Cativa a mim e a você.
Sua imagem feia e delicada
Imagem meiga,
Que escraviza a população

Todos vêem
Mas ninguém vê seu propósito, ou mesmo sua razão.
Simplesmente não se desfazem
Da imagem da televisão.

Enquanto você assim
Pede pra ver comédia, humor;
Sua vida é rodeada, manipulada,
Pela máscara do horror.

Máscara.
Que ninguém se desfaz.
Que lhe torna incapaz.
Que te ilude mostrando a falsa paz.

----------------------------------------------------

Peguei um rascunho do Vinícius e acabei terminando.
Achei que ficou bom até...

28 de abril de 2009

Luar

Nunca deixei um dia passar sem a noite.
Ah! A Bela noite!
Manto de estrelas que parecem ter sido bordadas em linha luminosa.
A lua para mim é como uma mulher seminua, formosa.

Já não sei o que mais dizer sobre a bela lua.
Escreverei tanto em verso, quanto em prosa.
Talvez a beleza dela seja apenas comparada à tua.
Ela vestida de branco, e tu em manto cor-de-rosa.

27 de abril de 2009

Dúvida

Um dia olhei as folhas caírem ao caminhar pela rua.
Vi que uma folha não vai diretamente ao chão,
Mas esbarra no ar, desliza na atmosfera nua.
Será do vento a culpa de ela se despedaçar da árvore então?

25 de abril de 2009

Nunca deixe de sonhar ( O mundo da voltas )

Crer em deus era a solução,
Passei maus bocados,
No lixo catando pão.
Cada dia, para mim era uma surpresa,
Não sabia o que viria,
Se teria comida sobre a mesa,
Via nos olhos de minha mãe o sofrimento,
Via na face de meu pai o lamento.
Sonhava toda noite, deitado no chão,
Me cobrindo apenas com um papelão.
Sonhava com o direito de ser feliz,
Ser dono do meu próprio nariz.

Desde pequeno aprendi o que é ser homem,
Fui pro sinal, bem cedo, para evitar a fome.
Maltratado, machucado, na rua apanhei.
A rua é um inferno!
Ah! eu sei.
Criado pela vida, e pela dor,
Sem esperança, sem sorrisos, apenas com amor,
Encontrava nos braços maternos, apoio e consolo,
E palavras doces, que ajudavam no sono.

Cresci ouvindo, que era preciso ter fé,
Que era só esperar,
Pois tudo ia mudar.
Nunca acreditei,
Levava a vida na "sola do pé".

Via, outros meninos de mesma idade que eu,
Andando, com suas roupas aparentemente quentes,
Enquanto eu, com os pés descalços,
Sempre doente.

Inveja não sentia, Apenas lamento,
Meu Deus! porque causaste em mim, tanto sofrimento?
Hoje eu entendo,
Me preparaste para guerra,
Me fez um grande homem, preparado para tudo,
Viver na sociedade hoje, é um absurdo.
Mas não desista vá em frente,
Cada obstáculo que você cruzará,
Te tornará mais resistente.

Hoje eu venci,
To aqui pra provar,
Se você almeja alguma coisa,
tem que buscar, batalhar,
Nunca pare de sonhar.

A meta é essa.

24 de abril de 2009

Mutável Texto

O mais incrível de escrever poema em forma de prosa é o fato de não haver pretexto, mas no caso o que naõ há é contexto.
Não deveria eu diminuir os caracteres e escrever um texto em forma de verso?
Talvez agora eu esteja tentando mudar, talvez não.
Mas o fato é que prefiro realmente os versos ao invés da prosa.
Escrever os verbos em poesia jeitosa.
Escrever no máximo oito palavras em linha.
Sem contar o ponto, tendo no fim
Apenas uma palavra
Sozinha.

23 de abril de 2009

Calice

Como é difícil
Acordar calado
Se na calada da noite
Eu me dano
Quero lançar
Um grito desumano
Que é uma maneira
De ser escutado
Esse silêncio todo
Me atordoa
Atordoado
Eu permaneço atento
Na arquibancada
Prá a qualquer momento
Ver emergir
O monstro da lagoa. (...)
---------------------------------------------

Trecho de musica de Chico Buarque. ( tive que postar)

Valor

[para Vinícius Borges]

Hoje ainda não acredito
Que peguei sem pedir seu escapulário de prata.
Me deu sorte, não pelo valor,
Mas por ser seu. Poderia ser até de lata.

Mas a sorte grande não foi o escapulário.
A sorte é te-lo sempre em meu caminho.
Conselhos e conversas animadas
Te quero muito bem, assim nunca estarei sozinho.

Nunca tentei lhe magoar em momento algum.
Te quero sempre junto comigo.
Mesmo não sendo a figura mais calma.

Em seus conselhos encontro o mais calmo abrigo.
Somos gêmeos de alma
Meu velho amigo.

22 de abril de 2009

Se as estrelas falassem...

Se as estrelas falassem,
Revelariam muito mais do que querem revelar,
Acrescentariam muito mais graça ao luar.
Se as estrelas falassem,
Teríamos muito mais com quem conversar.
Se as estrelas falassem,
Teria muito mais papo a propor.
Papo esse que teria uma pausa,
E que recomeçaria logo após o sol se por.
Pausa dramática, que serviria apenas pra galera pensar,
refletir,
No motivo, na causa de estar ali,
Na noite, no frio, sem dormir.

Num dia comum

Num dia comum
Quero zuar, me divertir

Acordo cedo,
pra tentar me formar.
Passando por situações,
E barras enfrentar.

A vida não é facil
Mas temos que continuar.
Vivemos e aprendemos e não podemos parar.

Desviando dia-a-dia,
Dos problemas que eu passo.

Levante sua cabeça, siga em frente
Conquiste seu espaço.
(...)

#Para descontrair

Quando a vida não estiver indo bem
De um meia-lua, bolinha.

Profundo e vazio.

Pensar, pensar e nada.
Mas o que pensei mesmo
É que escrever por prazer não é a escolha errada.
Mas escrever à esmo.
Mergulho a pena no tinteiro,
Mais dois versos.
Mas nenhum rimando com o primeiro.
Inconformado com o resulta, ainda insisto.
Ainda persisto.
E na persistência dialética para rimar com tal
Não encontro vogal.

21 de abril de 2009

Vira Poema - Série Devaneios

Não acreditas quando digo
Que tudo vira poema?
Mesmo o afago de um homem falso.
Mesmo sobre o poeta sem tema.
Ou talvez sobre quem lhe ama.
Talvez até sobre o futuro que lhe convém.
E enfim, sempre ao final,
Como uma trama de novela,
Dizer por fim que tudo isso foi apenas pensando nela.

20 de abril de 2009

Devaneio #2

Talvez não fosse nesse dia
Ma minha mente era forçada
Encorajada àquela situação
Premeditada.

De um falso beijo à escrita
A mão trêmula de aflição
Mas era o momento,
Coragem homem! (Mas será que teria?)
Esta é a lição, para quem não acredita
A escrita é um verso imerso em solidão.

17 de abril de 2009

Fazer valer a pena

Apaixone-se!
Aventure-se!
Não viva sua vida em vão.
Faça valer a pena, as batidas do seu coração.

Diga sim a vida,
Diga sim ao amor,
Permita-se apaixonar,
Fique!, se a moda é essa!
Namore, se a moda não lhe interessa.
Mas ame,
Ame de verdade, pelo menos uma vez.
Corra, pule, voe!
Não de bola para a gravidade.

Envelheça, mas somente na idade,
Preserve,
A vaidade.
Arrisque-se,
Antes que seja tarde.

__________________________________
Poema dedicado a minha amiga Mariana Larini.
Te adoro mari.. ve se aproveita bem tua vida!

16 de abril de 2009

Almas gêmeas

Certas noites ela pensa nele,
Certas noites ele pensa nela,
E assim mesmo sem saber,
Eles se relacionam.
Mesmo sem ao menos se conhecer.
Almas gêmeas, são assim,
Não se conhecem, mas ambas,
Sonham no dia em que se encontrarão,
Sonham no dia em que reunirão novamente,
Suas almas.

Momentos e momentos

A vida é uma eterna ponte em construção,
Que de tantos anos em obras,
Tem seus podres.
E por onde pisamos,
Sempre acabamos quebrando algumas tábuas,
E nos machucando.
Mas se quisermos ultrapassa-la,
Devemos, nos levantar,
Curar feridas,
E continuar andando.
Desviando das tábuas podres.

15 de abril de 2009

Por que não gosto de BBB

Desculpem mas eu precisava publicar isso em algum lugar.

As pessoas não devem entender o porque de eu não gostar do Big Brother Brasil.
Pois bem, vou situa-los primeiro com a situação cotidiana:
Sou um cara novo, tenho 19 anos, estudo publicidade e propaganda no IPA em Porto Alegre. Sou bolsista do PROUNI, o que me enquadra na faixa dos menos favorecidos economicamente. A realidade é que não tenho grana, dependo de coisas que envolvem dinheiro para conseguir emprego, como internet, ônibus, despesas com a faculdade como xerox, polígrafos e afins. Pois se eu não me manter estudando não tenho como estagiar, que é a maneira boa de entrar no mercado sendo um profissional ainda inexperiente de certa forma.

Agora sobre o convívio. (Estou situando ainda)
Vivo com minha mãe, ela é uma pessoa forte em seus 60 anos de vida e é a mulher mais forte que conheço. Talvez se eu tivesse herdado isso dela eu hoje fosse lutador de luta-livre.
Mas o problema é que ela fica de certa forma "rogando praga" pois fica torcendo pra se eu arrumar emprego, que seja despedido em breve, pois não sou uma pessoa legal.
Sempre me dizendo que eu não daria certo em lugar algum. Me colocando mais abaixo do que o cu do cachorro.
A única coisa que eu sirvo pra ela estando na faculdade, é para ela se exibir para os outros dizendo "meu filho tem 19 anos e está no 5ª semestre da faculdade".
É um convício difícil pois eu apesar de ser um profissional que me considero promissor, não consigo emprego. As propostas que recebo são praticamente as que eu estaria "pagando" para trabalhar, ao invés de ganhar. Sou pobre, POBRE, P-O-B-R-E, e preciso de um emprego que me ajude a lidar com isso. Já estou quase perdendo as esperanças e indo trabalhar no Mc Donald's.
Aqui em casa está sempre tudo às mil maravilhas quando estou trabalhando, mas quando estou desempregado... daí o bixo pega e minha mãe é troxa no pior sentido da palavra.

AGORA O PORQUE DE EU NÃO GOSTAR DO BIG BROTHER BRASIL
Bom, simplesmente eu odeio esse programa. O fato é que as pessoas que estão lá dificilmente são pessoas que realmente precisam da tal grana, e estão vendendo sua imagem ali apenas por vender.
Imagine minha situação: Tenho mãe, irmãos, namorada e amigos.
A pergunta é: Quem desses acima citados deveria ser a pessoa que mais daria apoio, incentivo e afins?
Parece óbvio essa resposta não é?
Pois bem. Meus irmãos são invejosos e tentam me puxar para o lado "obreiro" da coisa e me fazer ter uma vida virando massa um dia inteiro e não trabalhar nos finais de semana.
Meus amigos, os poucos e bons, me incentivam, e muito, para que eu não desista. Mas ainda é pouco.
Minha namorada, com quem pretendo me casar quando tiver condições, e se tudo der certo até lá, é uma pessoa em que posso ver o incentivo, mas ainda não é o bastante.
Digo que não é o bastante, pois o incentivo deveria partir de minha mãe, querendo ver o que faço, se informar, olhar meus trabalhos, perguntar como está a faculdade. Me dizer palavras de incentivo. Mas NÃO. Ela não faz isso. Nunca fez.
Sim, é uma família problemática, em que nenhum dos filhos gosta de sua mãe como deveria gostar um filho, querendo estar perto em datas comemorativas.
Daí surge o BBB. Um programa onde pessoas "bonitas" estão lá para ganhar um milhão. Acho patético ficar vendo isso e ainda por cima torcendo para esses caras, sendo que tenho uma vida pela frente e eu deveria torcer por mim, não por eles.
Ok, até o momento isso nunca tinha me afetado de nenhuma forma, pois nunca tinha precisado de incentivo direto para vencer na vida.
Um belo dia, chego em casa na noite da final do tal programa, e vejo minha mãe vibrando, torcendo para uma "mina" que nunca viu na vida, (ainda não sei se era pra mulher ou para o cara)e dizendo que "Ela merecia ganhar, ela lutou pra isso". PORRA!
Eu ralo todos os dias enviando milhares de emails procurando emprego em agências e seus derivados tentando ser um dia um publicitário de respeito, e ela nunca me disse tal coisa. Nunca me disse "Vai lá meu filho, faz que tu é bom", que pra mim já bastaria. Ou um simples "Tu é Navarro", mas nem isso.
Tente se colocar na minha situação, sendo que desde criança, nunca ganhei um elogio, pelo menos não um decente.
Quando era criança eu desenhava, mas apenas copiava desenhos e copiava PERFEITO. Mostrava-os para minha mãe e ela dizia "Que legal" e virava a cara.
Hoje vi o porque de eu saber "copiar" um desenho. Hoje sou uma espécie de mímico artístico, que consigo ver uma ilustração e fazer algo no mesmo tipo de traço.
Agora pense você, que torceu por alguém no programa. Pense em alguém na sua família que merece esse incentivo. Pois é, você já o fez? Garanto que não.
Agora acabo de ser mandado embora de uma empresa que não me daria futuro algum profissionalmente, mas me pagavam bem. Estou desesperado, pois meus dias de faculdade estão contados. Tenho passagens para ir até acabarem meus cartões de vale-transporte.
Minhas chances de conseguir emprego, se antes eram 10 em uma escala de 0 a 10, hoje são no máximo 3. Pois dependo muito da internet para me manter atualizado, para mandar currículos e manter atualizado meu portfólio.
Mas a grana tá ficando escassa e talvez esse seja o último dia de internet. Espero que não. Mas pelas palavas de minha mãe, que como sempre foram grosseiras e egocêntricas, o que parece é que não haverá mais.
Bom. Agora você já pode voltar a se inscrever no próximo BBB. Ao menos terá a chance de minha mãe torcer por você. Agora quanto à mim, espero que alguém esteja torcendo por mim lá em cima e me dê uma luz para sair disso.

Reforma Ortográfica #2

Incrível, mas hoje não tenho certeza,
Se ainda sei escrever,
Reformaram meu idioma,
Alguns nem sentem diferença,
Não vêem, ou será que veem?

A trema agora já deixou de existir,
Talvez ainda possa vê-la,
Mas apenas em palavras como tremão, ou trematologia.
Sendo assim já não sou mais bilingue,
Pois não sei ao certo mais nem meu próprio idioma.
Talvez você não faça idéia,
Ou talvez agora faça ideia,
Do que significa isso.

Já não sei mais ao ler "para"
Se é verbo, ou preposição,
Mas fazer o que,
Se os esses e os erres se aliaram.
Ao menos posso usar como tema,
Mesmo estando tranquilo sem trema.
Na verdade disso posso tirar bons poemas.

14 de abril de 2009

Reforma Ortográfica #1

Começo de uma idéia,
Terminando nesse texto.
Completando essa frase,
Lembro da reforma ortográfica.
Será que na próxima irão tirar a crase?

Não se se vôo ou voo,
Só sei que vou!
Mas nem sei pra onde.

Reforma ortográfica,
No idioma, mas não na gramática.
E a nossa linguística, agora sem trema,
Uma simples palavra estática.
Se não consigo mais hoje
Saber o que está correto,
Daqui pra frente estudarei matemática.

13 de abril de 2009

Vazio

Em certo dia, talvez não tão certo,
Lembrei-me de um longo passado incerto.
Vejo o presente como um livro aberto,
E o futuro como algo tão perto.

Perdido em meio a esse espaço atemporal.
Veio-me à cabeça a frase ideal:
“Uma vida boa, é uma vida real.”
E nesse contexto pensado em meio tempo de um verso,
Flutua um pensamento sem respeito à conjugação gramática.
De um simples poema patético de um contexto estático.

11 de abril de 2009

Comparação

Atravesso portas o tempo todo,
Entro e saio por elas,
Nunca sabendo ao certo,
O que irei encontrar após cruza-lás.
Assim é a vida, um eterno enigma.
Uma eterna aventura.

10 de abril de 2009

Sim, eu te amo!

Sim, te amo.
Mas não te amo como um cravo à uma rosa.
Muito menos como as rosas e seus lírios em um buquê.
É mais inspirador, é mais complexo.
Independente do teu sexo, de tua prosa ou o que mais possa eu dizer.
É sonhar teus sonhos em um simples toque de lábios em teu ouvido.
Como aquecer sua coluna e acariciar sua nuca com um suspiro.
Parece ser como enxergar o ar que respiro, disso não duvido...
Mas se pudesse dizer algo que fosse parecido,
Diria-te em silêncio, em um olhar, sem ruído.

9 de abril de 2009

Literatura Virtual

Me vejo preso em uma vida virtual.
Já virou habitual ver tudo cheio de "underlines"
Mais aos poucos vou me adequando.
Me adapto a essa imensa gama de novos caracteres.
Sabia que isso até daria um poema?
Sem mais falar de mulheres, nem da extinção da trema.
Agora tenho um novo tema!
Sem mais poemas feitos à partir de uma conversa boba.
Agora construo versos partindo de um simples asterisco.
As vezes até de nomes que começam com arroba.
Sim, eu sei. Nisso não há o mesmo encanto.
Mas pra quê tanto? No momento causarei espanto,
Sou incompreendido por enquanto.
Mas algum dia será esse o tema da literatura.
É meu amigo, vida de poeta é dura...

8 de abril de 2009

Riqueza Significativa

Quando pequeno desejava ser grande,
Ser mais velho, ser livre.
Livre para andar por ai,
Sair a noite com amigos, não ter hora pra dormir.
Anos passaram, fui crescendo e de certa forma amadurecendo.
É chegada a tão esperada puberdade,
Tudo aquilo que sonhava em fazer em minha infância,
Poderia ser feito,
Havia adquirido a "meia liberdade".

Sempre paro e penso em minha vida,
De uma forma resumida.
Ao pensar na infância, me vem união familiar, felicidade, harmonia, bem-estar.
Ao pensar na adolescência, me lembro de confusões, lembro de lesões,
Minha introdução na política, e o ganho de uma nova visão da vida.
Uma visão mais ampla e mais justa.
Dias difíceis, como muitos passei durante a adolescência.
Chorei, gritei, me decepcionei, sofri e escrevi.
Escrever!.
Um dos hábitos que jamais, irei abandonar,
Pois já faz parte de mim, é minha referencia, minha cura, minha doença,
Meu libertar.
Meu amor pelas palavras é imensurável.
Sou movido a amizade, se não tenho amigos por perto, me sinto na solidão.
Amo meus amigos e a vida da mesma maneira e intensidade,
"É imenso meu coração".


------------------------------------------------
Pense um pouco na sua riqueza significativa.

7 de abril de 2009

Botando pra fora

Será que um dia teremos um mundo "melhor"?
Haverá paz mundial, por um unico dia apenas?

Assistindo televisão esses dias, parei, pensei e resolvi fugir do meu habitual.
(escrevendo esse texto)
É intrigante e um tanto triste, ligar a televisão e ver que em todos os noticiários, só se fala de tragédia.
É ataque terrorista, é assassinato em massa.
Cara! Quando isso vai parar?. Fico pensativo e preocupado ao imaginar, como o mundo vai estar daqui uns 10 ou 15 anos.
Quando a água estiver escassa, imagine o caos!
Não, serio, pare, pense e tente ver este dia em sua mente, eu particularmente vejo pessoas ao extremo da loucura, cometendo atos jamais imaginados por ela.
Por isso acho melhor começarmos a fazer algo, tomarmos alguma atitude, antes que este dia chegue.

Espero que eu apenas tenha uma imaginação fértil.

Complexidade

Dias cinzas,
Sem o Clarão do sol.
Sinto teu corpo junto ao meu,
Tuas pernas,
Enroscadas no lençol.
Dias assim costumam,
Ser chatos,
Normalmente entediantes,
Mas contigo tudo muda,
Tudo é motivante,
Tudo é mais complexo,
Teu carinho,
Teu cheiro,
Teu sexo.

Mundo_Real.zip

Sinto-me alheio nesse novo mundo.
Esse mundo já não possui as mesmas relações.
Apenas pessoas falando o que pensam no Twitter
Apenas Orkut e suas atualizações.
Já não existem as velhas babás, agora Baby Sitters.
Difícil inspirar-me nesse meio tecnológico e egocêntrico.
Escrever em blog, mandar scrap e enviar twit,
Alguém poderia me soprar um palpite sobre isso.
Talvez fosse mais fácil se a inspiração pudesse vir em um download.
Mas vejo que o jeito mesmo é formatar idéias na cabeça
Sem chance de backup
Para depois fazer upload, em um arquivo zipado.
Para que os textos fiquem menores,
Preguiça de ler textos grandes em um mundo real compactado.

6 de abril de 2009

Camila

Tomada por timidez e ternura,
Silencio e doçura.
Seu calar, revela muito mais que mil palavras.
Teu corpo trêmulo,
Tua voz tensa,
Teu olhar fixo.
Me fazem imaginar, e querer entrar no teu mundo,
Onde a paz parece prevalecer,
E o amor reinar.
Tua companhia transmite afeto,
Teu toque me passa confiança,
Teu beijo,
Me dá esperança.

Comente!

Escrever, por quê ainda insisto?
Se escrevo demais, não leem,
Se escrevo pouco, sou preguiçoso.
Afinal, quantas linhas são necessárias para um bom poema?
Talvez isso não importe, o que importa é o tema.

Dificuldades à parte,
Se fosse fácil, todo mundo fazia arte.
E será que não fazem?
Talvez cada um em seu próprio jeito,
Faça arte em algum momento.
Lutando para ter um texto aceito, ainda encontrarei um jeito...

Enquanto isso sigo digitando estrofe à estrofe
Esperando nos comentários alguém que se habilite,
Alguém que filosofe, está feito o convite!
Dê ao menos um palpite, acredite!
Quem sabe em meio a comentários construtivos
Eu não encontre algum macete?

5 de abril de 2009

Necessidades

Acordo
Pensando em ti
Lembrando
De noite em que não dormi

Teu cheiro
Impregnado em mim
Lembranças de mim em ti
Meus dias não valem mais
Se eu não tiver com você
Meu mundo gira devagar
Quando contigo estou...

(refrão)

Preciso de você aqui
Preciso de você perto de mim
Preciso de você aqui
Preciso do teu corpo junto ao meu

Surruros, segredos
Momentos que passamos a sós
Teu beijo
Teu toque
Me fazem flutuar
Te quero
Te amo
Pra sempre vou te amar..

Eu durmo
e espero
Que contigo irei sonhar

( refrão)
Preciso de você aqui
Preciso de você perto de mim
Preciso de você aqui
Preciso do teu corpo junto ao meu (2 x )

4 de abril de 2009

Afago

Não sou mais como antes,
Isto é notável.
Ando sem razões para escrever,
Sem até mesmo, as vezes, razões para viver.
Ando por ai jogado,
Desleixado.
Sentindo-me um trapo.
Tiraram de mim,
Minha inspiração,
E o que veio preencher este vazio,
Foi apenas dor e depressão.

Quero de volta,
Minha razão de escrever,
O velho sorriso no rosto,
A vontade louca de postar até amanhecer.

Penso durante noites de insônia,
Em versos simples que criei,
Mágoas que afaguei,
Momentos felizes que tive,
Mas nada traz de volta,
A doce vontade de escrever.

3 de abril de 2009

Coletivo

Quando crescer quero ser poeta.
Levar a vida sempre mansa.
Uma vida, que mesmo sempre comum e clichê,
Andando apenas de ônibus,
Pensando bem, carros pra quê?

Pela janela posso versar
Em forma de prosa sobre a prosa com a pessoa no banco vizinho.
Talvez versar sobre um pedestre fora da faixa
Sobre o namoro no ponto
Ou sobre o olhar incrédulo do passageiro
Ao ver em cima do poste um passarinho.

Se posso escrever de dentro pra fora do coletivo
Por que não o contrário?
De fora pra dentro talvez fosse interessante.
Sobre quando estou na parada
E meu olhar se cruza com uma bela mulher em um pequeno instante.

De pequenas palavras em simples frases
Descrevo o ônibus inteiro em meia viajem
E se eu fosse de carro?
Não teria nem metade desta bagagem.

2 de abril de 2009

Orkut

Quando deu por si, havia sido ignorado. Ela simplesmente clicou em ignorar usuário e o exclui de sua vida.
Sim, ela havia deixado ao menos um recado antes disso. Mas deixou mandou publicamente ao invés de lhe enviar por depoimento para que ninguém mais soubesse do seu sofrimento.
Difícil agora é olhar para a barra de rolagem estando logado em seu novo perfil fake que ele acabou fazendo apenas para olhar as fotos dela. Nada nesse mundo mais lhe abalava. Ao menos não tanto quanto aquela barra de rolagem, que ainda tinha uma aliada em seu mouse que a qualquer descuido de seu dedo poderia rodar um pouquinho que fosse e baixar a página.
“Essa barra maldita me desafiando” pensava ele. Tinha medo de ver as fotos, e todas as outras atualizações dela. Medo de olhar se ir ao menos comentar, sem ao menos se marcar nos lábios dela em uma nova foto em frente ao espelho fazendo biquinho...
Isso apenas se amenizou ao conhecer uma garota linda, morena, alta e de olhos cor de mel que o adicionou a alguns dias. Estava perdidamente apaixonado por ela... comentava suas fotos, olhava cada detalhe de seu perfil. Sabia de cor o que estava escrito lá, até o que haveria de encontrar no quarto dela se um dia a conhecesse.
Ela lhe mandara depoimentos apaixonantes que o deixavam a ver estrelas.
Ele enviava recados com desenhos feitos de caracteres todos os dias.
Ela mudou seu perfil colocando que estava namorando e lhe pediu que fizesse o mesmo.
Ele colocou “casado(a)”. Ela também.
Ele pediu a senha dela. Ela lhe deu.
Ele então descobriu que o email de acesso dela era carolzinha_fake72@hotmail.com.

31 de março de 2009

O Analista

Tarde fria em Porto Alegre, e eu ali, estático naquele divã. Meu analista me parecia falar um blá-blá-blá qualquer simplesmente para me arrancar mais alguns trocados. Trocados eu disse? Só eu sei a grana que esse cara me cobrava.
- Me fale um pouco da sua infância.
- Bem, eu era uma criança comum, ou acho que era não sei. Sei que era difícil aguentar ficar preso em casa por pressão dos pais, porque eles não gostavam de como eu me vestia e tinham vergonha de mim. Tinha amigos, mas me faltava um amor...
- Hum...
- Não sei bem o que lhe dizer... Tive uma infância simples.
- Hum...
- Teve também o tempo em que morei na rua, e aí sim virei pivete. Era ladrãozinho de esquina, até conhecer um homem que me adotou. O cara era rico e foi quem me ensinou tudo. Deu-me carreira, me ensinou etiqueta e me mostrou que o mundo poderia ser honesto. Mas ele morreu, não consegui suportar a morte dele. Caí em depressão por isso. Fiquei doente, não sai mais de casa, fiquei isolado do mundo. Afinal, quem me fez ser “gente” foi aquele homem. Difícil suportar isso de maneira fácil. Você mesmo sendo analista, não sei se me entenderia...
- Hum...
- Então?
- Humm...
- Como assim? Você só fica aí me ouvindo e dizendo “hum...”. Não lhe pago pra isso!
- É verdade, vamos ao trabalho. Fale-me da sua infância...
- Como assim cara? Acabei de lhe falar!
- Desculpe, estava distraído.
- Como assim distraído? Dou-lhe uma grana toda a vez que venho aqui e você não presta atenção no que digo?!
- Ok. Desculpe.
- O que é isso aí?
- Uma bebida, aceita?
- Bebida? Você só pode estar louco cara!
- Tome um gole! Vai gostar... Dilui um antidepressivo nela... vai te ajudar...

Leitura Inútil

Em meio à um bocejo, leio algumas linhas.
De um texto imenso, mas que eu não entendia.
Já na segunda vez que eu lia
Lia inclusive o verso, mas que nada me esclarecia.
Deve ser influência da primeira linha.
Pensei que iria ler algo que me fosse fácil entender
À minha cabeça não aprendia, nunca!
Pagando de mula.
Deveria pegar um livro pra ler
Ao invés de ficar horas olhando uma bula...

30 de março de 2009

Uma crônica de meia frase

Talvez de meia frase, mas não de meias palavras. O simples ato de pegar a caneta, olhar o verso sujo da mesa empoeirada e a face pautada clamando por rascunhos, me fazia pensar em escrever. Mas escrever o quê? Dissertar o quê?
Talvez fosse melhor tentar um desenho em uma folha ocre, mas as linhas não se unem nunca!
Sempre escrevo partindo de uma simples frase, talvez meia, ou um parágrafo. Assim se surgiria o texto nestas linhas básicas que se conhece.
Meus dedos simplesmente se perdiam em consoantes, almejando ditongos. Simplesmente impossível!
Talvez fosse mais fácil atravessar de barco por baixo da ponde de safena, ou quem sabe uma viajem ao centro de um neurônio. Mas escrever em dissonância buscando contatos entre vogais? Ah, isso não aconteceria. Não comigo.
Não tenho ideologia concreta de como escrever certo ou errado, sem buscar rimas, sem meios termos, assim como também não escrevo em prosa elevada de bêbados desfavorecidos.
Mas a única coisa que me intriga, é como posso escrever tanto, espremer a mente mais do que bagaço de laranja de umbigo. E ao final ler e rever, e ver que toda essa gramática basicamente estética não me diz nada.

Conde

Em meu poder, o meu condado.
Soberano deste povo,
Que sempre vive calado.
Às minhas ordens se curvam,
Apenas os leais tenho ao meu lado.
Deste povo corrompido,
Não havia esperado;
Que de simples rebanho oprimido,
Se tornariam capitalistas
De um mundo social descontrolado.

27 de março de 2009

Informe!

Se debaixo dos caracóis dos seus cabelos, tenho uma história pra contar. Imagina o que tem no resto!
Bom pessoal... como sabem esse blog é um projeto meu e que depois de um tempo sozinho achei o cara certo pra escrever junto comigo que é o Tato. Mas outros também passaram por aqui.
Mas eu não to aqui pra jogar conversa fora... o que quero informar mesmo é que com essa onda de cada vez mais blogs de opiniões, cotidiano e diáziozinhos virtuais... resolvi fazer outros dois blogs para mim.
Um deles será Solo. E será inicialmente um portfólio... seguirá além com algumas tirinhas que pretendo fazer, mas isso ainda vai demorar até eu achar o redator certo.

E o segundo blog será no estilinho modinha e que se o Mr. Tato aceitar quero continuar a sociedade com ele neste novo projeto. Será um blog de variedades, bem diferente desse aqui, mas valerá a pena (ou não).
O nome?
Bom, o nome vocês saberão quando ficar pronto e o endereço constar aqui ao lado no Nova Aba.
Té mais pessoal! Comentem os textos, me chinguem e critiquem... é importante para que eu saiba o que é bom ou o que é ruim...

Tanks!

Bate-Papo

Um bar, um barman, geladas e dois figuras meio estranhos sentados ao balcão formavam a cena. Se fosse eu o barman, estranharia ao olhar para os dois figuras, que apesar de parecerem serem amigos, ou no mínimo conhecidos um do outro, tinham expressões distintas. Um com um rosto forte e bonito, porém com uma expressão obscura e convicta. O outro, com uma face bela porém mais limpa, mantia uma imagem tranquila em seu rosto. Mas apesar de terem explicitamente sentimentos diferentes, tinham certas semelhanças físicas.
O barman que não se preocupou em reparar em tais detalhes, levanta a cabeça e olha para os dois.
- O que bebem hoje senhores?
- Para mim um martini. - Diz o homem tranquilo, com uma voz bonita e suave.
- Eu vou querer uma tequila. - Diz o outro com uma voz tão forte e marcante como sua aparência.
O primeiro então dirige o olhar para o outro e diz:
- Jonny, você não acha que nossa sociedade está me desfavorecendo demais?
- Pois é Charlie, mas foi você que especificou quem você queria ou não no seu paraisozinho...
O barman serve os drinks, para e fica observando a conversa.
- Mas agora acho que não está certo. São muito poucos os que vem para mim. Já pra você, vai a grande maioria. E pra quê? Pra ficar sofrendo!
- Não me venha com essa agora. Fizemos uma aposta uma vez e você perdeu achando que ninguém comeria a tal maçã. Agora quer desfazer nosso contrato que divide as almas? Sem chance meu velho!
- Tá, mas e se fizermos um reajuste de uns 30% dos que vão para você, ao invés disso irem para mim?
- Você só pode tá brincando Charlie... 30%?! Só pode estar louco!
- Pode ser um pouco menos então.
- Nem pouco menos, nem muito menos.
- Mas...
- Sem "mas".
Então o silêncio tomou conta do lugar, e após uma boa pausa, Charlie enche o peito para falar e Jonny diz:
- Já sei,já sei... vai insistir em querer negociar não vai?
- Não, não...
- Então o quê?
- Vou te forçar a querer renegociar.
- Como?
- Te sobrecarregando.
- Não entendo... como vai fazer isso?
- À partir de agora os homens irão para você pois serão egoístas e egocêntricos. Vou chamar isso de... capitalismo.
- Mas isso será impossível! Fazer todos serem assim. Você só pode estar louco!
- Isso se resolverá de maneira simples... será aliado a tal da globalização.
- Globali... o quê?
- ...zação.
- Puxa!
- Essa piada já é manjada...
- Droga! Pensando bem... vamos reajustar?
- (pensando)E depois dizem que é o diabo que sabe influenciar.

Sem inspiração

Rimar com classe é difícil.
Mas tentaria se encontrasse o verso.
Escondido num canto de sabiá.
Ou na prateleira em meio aos pratos.
E agora poeta? Que rima terá?
Talvez um trocadilho barato
Quem sabe uma rima simples de fato (com mato)
Só restaste o pranto poeta, só restou-lhe o olhar
Que mesmo triste, cansado de tentar,
Amontoa palavras.
Pra quem sabe um dia sem capricho
Escrever poema se precisar rimar
Ao invés de escrever e jogar a folha no lixo.

26 de março de 2009

Jessica

Seu olhar é terno, doce.
Queria apenas um beijo teu,
Um simples olhar que fosse.
Sua voz é linda, macia,
E teus cabelos loiros tem um cheiro inconfundível.
És bela, sim, o que mais acharia?
Mas além de sua beleza foste incrível.
Mulher indescritível, que me completa.
Tudo isso me encanta e me fascina.
Acha que desde sempre sou poeta?
Não, não. Apenas quando te amar virou rotina.

25 de março de 2009

Noção de Estética

Em Porto Alegre sempre vejo
Versos e frases dentro de um ônibus
Jogadas em um fundo laranja horrendo.
Os versos são lindos,
Mas esse fundo, laranja?
Não entendo.

Talvez seja o laranja a cor do humor.
Mas e se os versos falarem de amor?
Ou forem uma crítica sem pudor?
Talvez esse fundo devesse ser repensado.
Quem sabe o antigo verde
Que já manjado, dá um ar tranquilo
E com toda a certeza é melhor do que aquilo.

24 de março de 2009

O sonhar

Me permito sonhar,
Se não sonho eu tento,
Não me lamento,
O sonho deve estar junto
Deve estar dentro
Da cabeça de vento.

22 de março de 2009

Sistema

Pais corrupto, ladrão
Rouba, mata explora,
to cansado dessa vida,
ditadura na televisão.

A mídia enriquece, as custas da prostituição
Criançada na rua, catando alimentos,
Nas esquinas mulheres nuas...
...Mendigos pelas ruas,
vagando a procura, de um lar, um abrigo.
algum barraco qualquer , que os proteja do perigo.

os governantes afirmam, nos dar segurança.
E juram nossos problemas resolver,
Mas o que sentimos é desconfiança,
e Medo, medo do poder.

20 de março de 2009

À toa.

A vida as vezes e bate.
Forçando-me a um resgate, de mim mesmo.
Parar de pensar e escrever à esmo, e ter foco.
Mas não tenho jeito, e rebelde, provoco.
Cada vez mais à toa,
Como um ônibus sem final de linha.
Como um sábio dizendo ladainha.
Abusando do bom português sem usar camisinha.
Com uma idéia mesquinha,
De escrever poemas como se colecionasse figurinhas.

18 de março de 2009

Objetivo

Qual é o seu objetivo?
Ter uma família, filhos.
Ou um cachorro?
Levar a vida com otimismo,
Ou então basear-se em choro?

Objetivo? Pra quê?
Para ter um rumo, uma meta, um caminho.
Mas se preferir, continue sem sonhos,
Continue sozinho.
Mas lhe dei prévio aviso.
Saiba o que quer, assim como eu,
Que tenho como meta um simples sorriso.

17 de março de 2009

Lugar Bonito

Um dia senti minha cabeça mudar,
Lembrando de lugares coisas que não haviam aqui.
Lugares que não visitei
E coisas que não vi.
Com imagens na cabeça,
Acabei indo para outro lugar.

Um lugar seguro, um lugar feliz.
Esse lugar é um paraíso de paixão.
E que de tão fantástico
Recebeu o nome de coração.

13 de março de 2009

Esmola

No sinal o garoto suplica trocados,
Uma esmola.
Enquanto o homem no carro apenas se cala,
Mas na face do menino, vista tão singela,
Se comove, se coça e na mão do menino solta um pila.
De felicidade o menino pula.
Ganhou o dia, mas estaria realmente feliz
Curtindo a infância e jogando bola.

12 de março de 2009

Pessoas e pessoas

Desejo primeiro que você ame,
Antes de qualquer coisa ame.
A seguir, jogue tudo fora...
...Mas principalmente esvazie seu coração.

Aprendi que um homem
só tem direito de olhar um outro
de cima para baixo,
Para ajuda-lo a levantar-se,
Pois o que realmente importa,
É dar valor as coisas, pessoas,
Pelo o que elas são feitas,
Pelo o que elas significam,
E não por terem bens materiais ou não.

A vida é uma passagem curta ou duradoura,
Depende de você, escolher seu caminho.
O mundo anda tão complicado,
Mas o mundo que vejo é belo e unificado.
Nele sou aprendiz,

Afinal nós somos o amor.
_________________________

Desculpem o período sem postar, falta de tempo é o motivo.
Obrigado aos leitores, continuem lendo.

Micro-Conto patético

Ele caminhava ao luar, pensando no que se passava na mente dela. Enquanto ela pensava em outro, que em outro momento não a fez feliz. Ela pensava em como era bom aquele momento, pensar nele. Pensar nela era algo que motivava a vida dele.
Almas gêmeas, porém fraternas. Assim como os corpos que, mesmo semelhantes, eram de gêneros diferentes. Assim partilhavam algo em comum. Algo que os unia com um laço eterno. Por serem irmãos.

7 de março de 2009

Olhar Singelo

Descompassado, desritmado,
Desconfortante.
Assim se torna meu coração
Ofegante.

Falta-me o ar simplesmente
Coração em disritmia
Tendo tu à minha frente
Com um olhar quente,
Sempre me verá contente,
Pois terei em mente
Teu olhar singelo
Como um presente.

6 de março de 2009

Partes do que sou[2]

Quero escrever versos,
Versos de amor, de ironia,
Quero preencher todos os espaços,
Desta folha vazia.

Quero, ao escrever,
Ser completamente livre,
Lembrar-me do que quis ter,
Mas que nunca tive.

Quero com estas tantas palavras,
Que escrevo sem encontrar fim
Encher além destas folhas brancas,
Os espaços imensos que há em mim.

Lembrar, esquecer
Dormir, acordar,
Desejar morrer,
E depois lamentar.

Senti a presença da solidão,
Ri as lágrimas que não chorei,
Agindo com o coração,
Sempre errei.

Escrevo partes do que sou,
E dedico-as a ti,
Mas só eu o sei,
Não sairá daqui.

Todas as lágrimas foram enxutas,
Neste pedaço de papel, que agora é um pouco de mim,
As minhas palavras sentidas, doces ou brutas,
Assim como eu chegaram ao fim.

5 de março de 2009

[Regatando Textos] Crônica das Palavras

Era uma vez um conto feito assim:
eram 4 linhas de no máximo 7 palavras e eram dispostas uma abaixo da outra,as linhas, mas as palavras eram como se cada uma tivesse vida própria e se rebelasse. Desta forma cada palavra colocava-se em uma posição escolhida por si, Porém sem poder mudar de linha tracejando um campo grande de impossibilidades, imaginadas pelo escrivão, que à essa altura perdera toda sua autonomia, tornando-se apenas mais um espectador. Palavras indo e vindo não eram algo comum para ele. Agora elas moviam-se entre as linhas, e trombavam entre si trocando letras e formando novas palavras, novos sentidos.
Mas foi somente quando elas pararam de se mover e depois de trocarem letras e sílabas que ficou visível o âmbulo de criações que ali solidificou-se. Não conseguia interpretar que coisa era aquela, mas ficou estupefato de quantas horas dispendera para criar aquilo, e agora, não entendia nada!
E novamente, aquele todo de palavras começou a se mover mas o escritor conseguiu catar palavra por palavra com as próprias mãos.
Colocou-as em sua boca, engoliu, e elas surtiram um efeito inesperado!
Fizeram com que seu cérebro começasse a criar além da conta, fazendo com que ele escrevesse sem parar.
E a cada nova linha o escritor procurava limitar-se mais
na próxima, mas era em vão, pois não dominava mais suas mãos.
Escreveu, escreveu, escreveu até que não teve mais forças para
pensar; De repente sentiu pela espinha uma translucidação.
Foi este o momento em que sua mente parou para ver o que havia escrito.
Viu linhas com traços rápidos, letras feias, com uma grafia que não era a sua, mas começou a ler...
E deparou-se com uma única linha legível, onde estava escrito:
"Não pise na grama"






Este texto foi escrito por Felipe Navarro e Patrick Antunes com a simples brincadeira do "Continue a história"...

4 de março de 2009

[Resgatando Poemas] Tecnologia

Estava e-mail de mal com a vida.
Pensando em deletar tudo que lá havia,
com um bug inédito no sistema;
Formatei os erros, e as áreas corrompidas.
Mas a minha volta só se houvia um blabláblog;
De dialetos obsoletos,
em meu disco rigidamente sem problema;
Por ter enfim visto tecnologicamente,
Um modo simples de se fazer poema.

3 de março de 2009

[Resgatando Poemas] Estagiário

Oito horas diárias;
Pilhas de papéis e trabalhos.
Ainda preciso estudar,
Mas não consigo encaixar os horários.

Remuneração bruta é alta;
Mas o desconto vale-transporte,
Este,com certeza fará muita falta.

Matar um estagiário por dia?
Acredite, ouço isto o tempo inteiro...
Mas ao menos dê um incentivo:
Pague o vale-refeição em dinheiro!

2 de março de 2009

[Resgatando poemas] Ponto de ônibus

Pensando ao esperar o ônibus,
Percebi o céu estrelado;
Um manto negro decorado,
Pensei em mil poesias.
Logo estava estasiado,
em meio ao raiar da lua a me fitar.
Não resisti, e hipnotizado;
fixei meus olhos nela, admirado.
Foi então que percebi,
que o ônibus já havia passado.



--> Descontração as vezes adianta... :P

______________________________..
Enquando não consigo escrever mais nada... vou resgatando meus poemas antigos para o topo da página...
Esquecidos pelo tempo. Mas lembrados por mim.

23 de fevereiro de 2009

A semana

Se hoje fosse segunda,
Rimaria com terça-feira;
Pois se das datas, o domingo é primeira,
Me vejo no tédio da quarta-feira.

Meio de semana, ansiedade e inquietação.
Quinta-feira eu rimaria agora,
Mas não acho terminação.

Sexta-feira, dia indutor de ressaca.
Quase me acidento na placa.

Sábado, sem poesia.
Enfim carnaval!
Mas ainda não tenho fantasia.

22 de fevereiro de 2009

Num vôo.

Vez em quando tenho a sensação de que posso voar.
Talvez por ser desde sempre um desejo meu.
Imagino como seria ver tudo lá do alto, esvoaçar os cabelos em meio as nuvens.
Devaneio? Talvez.
Se pessimista fosse, diria que é a meu corpo preparando-se para ver tudo do alto após a morte.
Mas em um abençoado otimismo, vejo como se fosse uma visão do presente momento projetado à partir dos bons momentos.

21 de fevereiro de 2009

De uma frase...

Se um dia alguém me dissesse que o mundo dá voltas, eu lhe diria: Talvez...
Talvez se eu me entregasse ao passado e, amargurando meu presente, me cegasse ao meu futuro.
Talvez se uma tristeza esquecida tomasse conta de mim, e me fizesse entender apenas a dor, e esquecer o que é amar.
Se o mundo realmente dá voltas, não sei. Isto só o tempo me dirá. Me entrego ao presente, almejando um futuro e semeando um passado.
Mas... semear o passado?
Sim, semeio, pois não é só o futuro que posso ainda fazer... pois o que faço no presente logo se torna passado.
Lição de vida? Talvez. Mas é o passado, que um dia semeado por você mesmo, que o torna quem você realmente é hoje.
O futuro? É uma reles imagem projetada à partir do presente, se tornando, um dia, passado.
Pense nisso.

18 de fevereiro de 2009

Viva o lado bom da vida!

Faço o que quero,
Não tenho dono.
Vivo pelo mundo
Me aventurando,
Tristezas abandono,
Fico pela rua,
Vendo o dia amanhecer.

Carrego comigo,
Apenas minha velha mochila
E meu desejo de viver.

Os Cinco Sentidos

Em certo dia, uma mulher me perguntara se eu saberia lhe dizer quais eram os sentidos humanos. Perguntou se eu ao menos sabia quais eram.
Minha resposta foi simples:
- Claro que sei professora! E lhe adianto que são cinco!
Ela com olhar debochado me diz:
- Não me diga! Então fale-me quais são.
Disse-lhe então que os cinco sentidos são: sentir fome, sentir frio, sentir-se amado, sentir saudade e sentir-se triste.
Ela riu.
Disse-me que nunca tinha escutado tal besteira. Achei isso o maior insulto da minha vida e então me justifiquei.
Disse a ela que com a fome, atiçava-me o paladar, sentindo como nunca um bom sabor em algo que coma. Com frio, despertaria meu tato, sentindo como nunca a veludes de um bom cobertor. Já o fato de sentir-se amado, me despertaria a visão, vendo em uma mulher uma linda imagem, independente de sua beleza. Sentir saudade me faz apurar meu olfato, para poder sentir o cheiro das pessoas que me querem bem, mesmo de olhos fechados. E o mais importante, sentir tristeza, que me desperta a esperança, de meus ouvidos escutarem alguém um dia me dizer: "Tome aqui garoto, coma este pão".

17 de fevereiro de 2009

16 de fevereiro de 2009

"point and shoot"

Diversos tipos existem,
Todas muito lindas,
Pequenas, grandes.

Tem aquelas descartáveis
Aquelas amadoras,
Ou as domesticas mesmo,
Tem umas, que servem para uso científico,

Algumas mais pesadas e menos silenciosas,
Outras chegam a ser assustadoras,
E se parecem com as do século passado.

Nossa, existem, realmente inúmeras delas!
Basta simplesmente...
Escolher a câmera certa.

Pleonasmo

Num dia qualquer,
Sai para fora, e avistei com meus olhos,
Você de longe.
Vinha lentamente em minha direção,
Logo ia amanhecer o dia,
Onde passaste a noite, eu penso.

Enfim você chega, e me olha com os olhos,
Pedindo colo, olhar carente,
E eu te encaro de frente,
Passo a mão em sua cabeça e digo:



Entre rex já vai amanhecer.

Narcisista

Perfeição, Beleza, Inteligência,
Estas são minhas qualidades.
Meu brilho te ofusca,
Minha beleza te assusta.
Olhos lindos, corpo esbelto.
Rosto perfeito.
Não há ninguém igual a mim.
Sou superior a vocês,
Sou desejada, e amada por muitos,
Sou simplismente,
PERFEITA!.

10 de fevereiro de 2009

Bêbado

Hoje pela manhã, tudo como sempre.
Passo manteiga, e molho o pão
Na pinga.
Já me embriago logo pela manhã,
Não consigo evitar, tornou-se hábito.
O grande problema é disfarçar o mau-hálito.
Vez que outra alguém me pergunta:
- Por quê bebes todas as manhãs?
Respondo simples, breve e curto:
- Ic!

9 de fevereiro de 2009

Novo Velho Amigo

Venha cá, meu amigo.
Lembre-se de quando lhe falei "Fique comigo".
Ao teu lado, compreensão e nenhum perigo.
Sei bem que nunca teve juízo,
Mas se estou contigo, não é preciso.
Então meu amigo, lhe dou o aviso.
Se um dia esquecer nossa amizade,
Saberei que não é falsidade,
Deve ser necessidade.
Ouço Chico Buarque, lembro de ti "meu guri"
Me inspiro pra escrever uns simples versos de fonética,
Rimas bonitas são estética,
Mas pra falar de ti, nada mais do que poética.

Amigo! Venha para cá, conversar comigo.
Faz tempo que não levo uma simples proza contigo,
Mas deve saber, que no meu peito tens um abrigo!
Só deus sabe o valor que tem um amigo antigo.
Meu amigo, perder-te um dia seria um castigo!

--------------------------------------------------------
Depois de ouvir um Chico Buarque, rimar fica até fácil.

8 de fevereiro de 2009

Violência

Por quê será que não posso voar?
Os pássaros voam, tendo cérebros tão pequenos.
Vôo então em sonho,
Voarei bem longe, o mais alto que puder.
Sentirei a brisa que passa e me arrepia,
Melhor que me arrepiar com o medo que sinto aqui embaixo.

7 de fevereiro de 2009

De uma triste lembrança


De uma triste lembrança
Me dou ao luxo de que seja a sua.
Se um bom momento se foi,
Nada mais importa.
Seguirei sozinho, pela rua.
E se um dia eu cair,
Será porque tropecei em meu caminho,
Mas não por ter lembranças suas.
Pois trilharei isso tudo sozinho.

6 de fevereiro de 2009

Eu



Sou um anjo caindo
Em direção ao solo fértil.
Ao cair posso morrer,
Mas se assim for serei plantado.
Fruto do amor, purificado em teu peito.
Não sei se planto minha alma,
Eu se me salvo em um bater de asas.

5 de fevereiro de 2009

Elegance


Depressa!
Quero ver o que se passa!
E se quem passa for alguém,
Que seja ela, pois será bom a beça.
Ver seu rosto, que com tal beleza ameaça.
Beleza mestiça,
Que se auto realça.
E mesmo com muitas tendo chance.
Quero que seja ela
A quem meu coração alcance.
Se assim for, sinta-se em casa.
E em meus braços descanse.

4 de fevereiro de 2009

Lembranças


Lembranças de mim mesmo pelo tempo;
Ou de um filme visto a dois.
Avisto em lembranças teu rosto,
Tuas sardas.
E como um dia lhe disse, hoje não lembra.
Não com o mesmo valor que me vem à cabeça.
Minha mente, seus passos, seu corpo, um abraço.
É tudo que se seguiu após.
Lembranças,
É o que me resta.
Sei que não é em mim que você pensa.
E nem ao menos fui especial.
Mas se hoje à noite eu sonhar contigo,
Tentarei acordar,
Enquanto forem apenas lembranças,
Não carregarei mais comigo.

3 de fevereiro de 2009

A voz. Mulher.


Ah! Aquela voz! De mulher! Não de menina...
Ecoa na mente, e o corpo,
Fascina!
Menina dantes singela, bonita;
Quando mulher, em corações flutua,
Conflita.
Conflita o que se quer, com que se teve.
O que se teve com o que se tem.
E o que se tem com o que se vê:
Como és bela mulher!

2 de fevereiro de 2009

Complexidade Longa


Ao dia minha mente flutua
Pensando em momento atoa
O olhar avista a beleza tua.
Dilato pupila à figura nua.
Beleza palpável és o corpo teu.
Em meio, meu coração batia.
Entrego-lhe já que és meu.
Enquanto sem ti, minha alma é vazia.

1 de fevereiro de 2009

Cotidianiando



O raiar.
A preguiça.
O café.
O relógio.
Trabalho.

O meio.
O sol.
O prato.
O retorno.
Cansaço.

O fim.
A volta.
O rosto.
O sorriso.
Abraço.

A noite.
O sereno.
O escuro.
Teu lado.
Um amasso.

10 de janeiro de 2009

Eu sei que vou sofrer...

Saudades de ti,
Sentirei sempre.
Lembranças de ti,
Guardarei sempre.

Me ensinaste a amar,
Me mostrou o amor,
Como posso aguentar?
Dias, meses e anos,
Sem sentir teu calor.

O destino, a vida,
Nos pregou uma peça,
Me afastou de ti.

Te amo e te quero,
Sem demora,
Te quero agora,
E na hora de dormir.

9 de janeiro de 2009

Lembrar ou esquecer?

Lembro de ti, quando respiro.
Lembro de ti, quando meu coração bate
Lembro de ti, quando acordo.
Lembro de ti, quando durmo
Lembro de ti, todo instante.
Lembro de ti do nada, de repente.
Lembro de ti, porque tu não sai da minha mente.

4 de janeiro de 2009

Dia feliz

Enfim o dia chegou!
O nervosismo toma conta de mim,
Olho para um lado, olho para o outro,
E não vejo você.
Minhas mãos começam a suar, e
Minhas pernas a tremer.
De longe observo você,
Mal vejo teu rosto,
Mas meu coração te identifica,
Sente a presença da dona dele.

Aos poucos o ritmo aumenta,
Você está cada vez mais perto,
Perco os sentidos,
Não me mexo, não raciocino,
Não escuto nada,
Apenas meu coração fazendo...Tum...Tum...Tum.

Teus lábios parecem tremer diante aos meus,
Tua boca encosta na minha, com certa timidez,
Meus olhos fixos aos seus,
Tudo está perfeito, me beije!
Sou todo seu.

Ontem

Ontem à tarde eu vi um menino.
Ontem eu, um menino, vi a tarde.
À tarde ontem um menino me viu.
Eu vi tarde ontem um menino.
Eu, menino, vi à tarde ontem um.
Um eu viu à tarde ontem um menino.
Tarde viu eu a um menino ontem.
Ontem vi um eu menino.
Ontem
Me vi
Um
Menino
Eu.

Luz da manhã! como viver sem?

Está escuro, não posso enxergar,
E isso me assusta.
Até dias a traz estava tudo tão azul, tão claro.
Não sei o que fazer,
Não sei o que eu fiz,

Cadê o brilho do sol?
Cadê a luz da manhã?

Como pode ter ficado tudo tão escuro,
Sinto-me, perdido,
Sem saber onde estou.

Mas como?
Até dias a traz estava tudo tão azul, tão claro.
Nunca mais verei a felicidade estampada em seu rosto,
Não verei meu filho sorrir.

Fui tão cruel?
Errei tanto?

É impressionante como não há vestígios de luz,
Nada! Não vejo nada.

Mas como?
Até dias a traz estava tudo tão azul, tão claro.
Como pode escurecer, e eu não notei.

Ultima lembrança que tenho,
Foi de algo arder em meus olhos,
Será que foi isto?

Jamais verei teu rosto,
Jamais irei ver a luz da manhã.

Ah! se eu pudesse,
Só desejar uma coisa, apenas uma,
Seria ver teu rosto mais uma vez.

3 de janeiro de 2009

Ne me quitte pas

Olho no olho,
Mãos frias,
Boca com boca.
Perfumes misturados,
Desejos divididos,
Pele com pele.
Amor correspondido.

Kiss me

Me beije.
Você pode até ir embora,
Mas não se afaste sem me dar um ultimo beijo.
Me beije,
Com toda a intensidade do primeiro beijo.
Não finja que me esqueceu,
Olhe dentro dos meus olhos e diga que não me ama,
E então eu a deixarei partir.

Me beije.

Me leve para o sereno,
Junte suas mãos as minhas,
E então,
Me beije.

Me faça feliz novamente,
Me deixe sentir teu corpo,
Me deixe sentir teus lábios,

Me beije.

Eu estou ligado a você,
E você de certa forma também está,
Juramos amor eterno,
Naquela noite.

Não me faça te odiar,
Não me diga palavras que não quer dizer.

Apenas, me beije.

Fácil Pensar

Manhã clara, de nuvens espessas.
Mal vejo o sol.
Só ouço o som que me vem aos ouvidos,
É o vizinho escutando Beatles.
Tendo o nada em mente,
Tendo o tudo como objetivo.
Tendo você longe de mim.
A saudade me aperta,
Por quê será que nessas horas penso demais?
O pensamento flui tão fácil!
Até que então, finalmente,
Ela bate na água...
Ufa! Me sinto mais leve!

Má influencia

Viver e não ter vergonha de ser feliz!
É já dizia a musica,
O que adianta, viver uma vida inteira, sem se arriscar?
Vale chegar aos 95 anos, e não ter cometido, deslizes?
Ou seria mais válido morrer aos 65, mas com muitas experiências.

Não viva em vão, aproveite!
Faça aquilo que você sempre quis fazer,
Não se prenda!

Beije na boca,
Faça amor no elevador,
Tome uma atitude,
Roube um beijo.


Dance na chuva com sua amada!
Tenha varias mulheres,
Tenha vários homens,
Viva!

Viva, com muita intensidade cada segundo.
Seja irresponsável, pelo menos um dia.
Minta se for preciso,
Mas não se acostume com isso.

Erre, fique bêbado,
Saia pela madrugada com amigos.
Impeça um casamento, mesmo que de estranhos.

Só não esqueça de viver.

2 de janeiro de 2009

Rima do amor

Te conheci,
Me apresentei,
Me apaixonei.

Te vi,
Me aproximei,
E te beijei.

Te olhei profundamente,
E me encantei.

Me vi em teus olhos,
E já gamei!

Te elogiei,
E te olhei.
E percebi,
Que desde daquele dia,
Te amei.

Repetição

Saudade! Saudade!
Saudade não tem idade,
Saudade não tem tamanho.
Saudade é normal sentir,
Normal quando estou longe de ti.
Não viaje,
Não me deixe.
Fique sempre por aqui.
Evita que eu sinta novamente,
Essa dor,
Esse aperto, chamado,
Saudade.

Familia Italiana

Viemos da Europa,
Falamos alto, sem educação,
Comemos Tiramisu, Rigatoni à putanesca,
E Molho de tomate com alho e manjericão.
Família grande é tradicional,
Tios de Palermo,
Avós de Roma.

Feliz nós somos,
Pelo menos aparentamos.
Comida em abundância,
Dinheiro não nos falta.

Mas espera! dinheiro não traz felicidade.
Do que adianta? hein vovô!
Fizeste uma maldade.

Mansões, apartamentos, Fazendas.
Isto era pra ser motivo de alegria,
Mas se tornou um peso.

Motivo de infelicidade.

2008 se foi

Ontem caminhando pela rua, sozinho, escutando meu Led Zeppelin de bolso, consegui o impossível. Pensei em tudo e nada ao mesmo tempo.
Pensei em tudo o que passou nesse ano inteirinho que me foi agora a pouco. Pensei também no que talvez estaria por vir neste 2009.
Enfim cheguei em casa, dormi, e acordei hoje ainda pela manhã, ouvindo o mesmo Led. E percebi que o ano que se passou, se foram com ele antigas metas, antigos sonhos, antigas conquistas. Isto tudo se foi, ficou pra trás. Mas como?
Simples:
Acorde cada dia com um novo objetivo!
E sempre com um bom rock'n roll ao pé do ouvido.

1 de janeiro de 2009

O Ano Novo!

Ah! o Ano Novo!
(suspiro)
...
Tá... e o que tem demais nisso?
Vou comer o que sobrou da lentilha.